Arquivo para fevereiro, 2010

Momento do Futsal.

Posted in ** Meu Portfolio, Esportes on fevereiro 13, 2010 by Henrique André

Este é o quadro “Momento do Futsal”,  do programa Jogo de Cintura, dos dias 13 e 14/02.  Clique na imagem para ouvi-lo.

– –

Grupos da Superliga:

Grupo A

Betim (MG) – Representa a cidade-sede
Malwee Futsal (SC) – Atual campeã e 03 vezes vencedora nas 04 edições.
Paraná Clube (PR) – Campeão do Sul
Fortaleza (CE) – Campeão do Nordeste

Grupo B

V&M Minas (MG) – Campeão do Sudeste
Zaeli/Gazin/Penalty (PR) – Substitui o Carlos Barbosa, que abriu mão do torneio.
Fesurv (GO) – Campeão do Centro-Oeste
Esmac (PA) – Campeão do Norte

Marques Batista de Abreu.

Posted in ** Meu Portfolio, Esportes on fevereiro 12, 2010 by Henrique André

Hoje, dia 12 de fevereiro de 2010, Marques Batista de Abreu está completando 37 anos e comemora o último aniversário como jogador profissional, já que no final do ano vai pendurar as chuteiras.

– –

Definir – sozinho – a importância que tem o Marques seria egoísmo demais e muita pretensão da minha parte. Por isso, abri espaço para que os atleticanos do Twitter e também da comunidade oficial do Galo no Orkut, respondessem a seguinte pergunta: O que o Marques representa para o Atlético e para os atleticanos?

Foram mais de 300 respostas e finalmente encontrei palavras para definir Marques Batista de Abreu: Ídolo; messias; raça; inteligência; exemplo; amor ao galo; santo; humildade; bom caráter; simplesmente O CARA; o último jogador que tem amor por uma camisa.

O torcedor Luis Gustavo Andrade externou sua admiração pelo Marques e o seu comentário merece destaque:

“Tendo ele em campo, rapidamente nossa memória volta aos grandes jogadores que já vestiram esta camisa. Quem vê aquele cara franzino com a 9, ou a 15, 16, 17, 18 (não importa o número), vê Reinaldo, vê Dadá, vê Humberto Ramos, Zé do Monte, Éder, Said, Mário de Castro ou Marcelo Oliveira. Quem tem o prazer (sim prazer) de assistir aos espetáculos do Calango, vê o SER ATLETICANO em campo, vê o torcedor, vê a alma preta e branca. Quem nunca viu Marques, não viu o amor à camisa, de um homem que não nasceu atleticano, mas aprendeu com a vida e com o futebol a amar esta camisa que todos nós amamos. Da mesma forma que aprendemos a admirá-lo e gritar Olê Marques!

Só me resta assinar embaixo. Feliz Aniversário Marques!

Estreando o Momento do Futsal.

Posted in ** Meu Portfolio, Esportes on fevereiro 6, 2010 by Henrique André

Estreou neste sábado, 06.02, o quadro “Momento do Futsal”, no programa Jogo de Cintura. Clique na imagem para ouvi-lo.

– –

Trata-se de uma parceria da Federação Mineira de Futsal e da Rádio Inconfidência, para divulgar este esporte que revela muitos craques e que lota os ginásios de Minas e do Brasil à fora.

O “Momento do Futsal” irá ao ar todos os sábados e domingos, dentro do programa Jogo de Cintura, sempre com as novidades da semana do mundo do futsal.  Não percam!

O dilema de um bígamo: a novela completa.

Posted in ** Meu Portfolio, Esportes on fevereiro 5, 2010 by Henrique André

Marcelo Bechler,  produtor do programa Jogada de Classe, da TV Horizonte, transformou a crônica “O dilema de um bígamo” em uma reportagem especial de televisão.  Assista:

Leia a crônica:

I- O Dilema de um Bígamo

II- O Dilema de um Bígamo – Parte II

III- O Dilema de um Bígamo: o desfecho

A reportagem foi exibida no Programa Jogada de Classe do dia 03.02.10.

_

A ansiedade que pode atrapalhar

Posted in ** Meu Portfolio on fevereiro 4, 2010 by Henrique André


O atleticano é diferente, é fiel, é fanático e não abandona o Carijó em nenhum momento. Foi assim na década de 70 e 80, quando a melhor equipe do Brasil foi prejudicada pela arbitragem e por todos aqueles que não aceitavam que um time mineiro fosse hegemônico no país. Foi assim também durante as péssimas administrações que afundaram o clube em dívidas, e naquela que permitiu a queda para a Série B em 2005.

A torcida do Galo aprendeu a transformar sofrimento em fé, e é por isso que se tornou incomparável e indiscutível. No ano do centenário do clube não teve a festa que merecia, e ainda guarda como principal triunfo o primeiro título nacional, conquistado no ano de 1971. Já se passaram 38 anos e, depois de várias vezes ficar no quase, parece que a ansiedade se torna cada vez maior.

Ser vice campeão invicto em 1977; ter sido notoriamente prejudicado pela arbitragem em 1980, em 1982 e em quase todos os anos até aqui; ter perdido aquela partida no ABC Paulista em 2001 para o São Caetano, numa verdadeira piscina, quando se tinha uma equipe infinitamente mais técnica e qualificada; ter deixado escapar o título em 2009 por falta de ousadia do antigo treinador. Enfim, estas são algumas das cicatrizes que se tornaram visíveis no corpo do Galo Forte Vingador, mas que nunca o derrubaram, pois, como está escrito em seu hino, este nascera para “honrar o nome de Minas no cenário esportivo mundial”.

Atualmente, a esperança está toda depositada no técnico Vanderlei Luxemburgo, penta campeão brasileiro e de um currículo invejável. Realmente, Luxemburgo é um grande treinador, mas não pode ter tanta responsabilidade jogada sobre seus ombros. Se não vencer pelo menos uma das quatro competições que disputará este ano – Campeonato Mineiro, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro e Copa Sul-Americana –, com certeza terá sua capacidade colocada em xeque por muitos torcedores e críticos.

Acredito que a maior conquista que o Atlético pode alcançar com esse novo projeto é a retomada do respeito que sempre teve em todos os quatro cantos do país. Com estrutura física e com um planejamento de primeira linha, os títulos serão consequência.

A princípio, trata-se de um projeto de dois anos, mas que pode ser pouco tempo para colocar em ordem tudo aquilo que foi tirado do lugar por pessoas que não tinham capacidade de dirigir o Clube Atlético Mineiro. Pode ser um pedido difícil para quem aguarda há tempos por um título de expressão, mas resta ao torcedor um pouco mais de paciência.

A ansiedade pode ser uma pedra no caminho, mas pode e deve ser controlada. Afinal, as cicatrizes não devem se tornar feridas abertas.